sábado, 24 de Novembro de 2007

Terapia hormonal de substituição...ou..como adiar a menopausa

Aqui está um pequeno resumo do meu trabalho...
Na menopausa os ovários cessam a produção de estrogénios e a capacidade reprodutiva diminui - é o fim da fertilidade da mulher, pois os últimos oócitos II degeneram. Com isto há uma descida drástica de estrogènios que provoca uma série de situações desagradáveis como, por exemplo: ondas de calor; palpitações; depressões; insónias; secura e infecções vaginais; incontinência; alterações nos ossos e pele; etc...
Para minimizar tudo isto surge a terapia de reposição hormonal que consiste numa reposição dos estrogénios. No entanto, esta adesão à terapia tem se der balançada pelos seus riscos e benefícios.

Riscos das terapias de reposição hormonais:
- pode ser perigoso se usado durante longos períodos de tempo;
- não deve ser usado indiscriminada e aleatoriamente;
- aumenta o risco do cancro da mama e do útero;
-aumenta risco de derrames e enfartes;
- pode favorecer o desenvolvimento de Alzheimer;

Contra-indicações:
- histórico de cancro da mama ou de endométrio, sofredoras de doenças do fígado; tendência para tromboses, diabetes, mulheres fumadoras, etc...

A manutenção dos sintomas da menopausa tem de ser regular, porque pode-se optar por reposições mais naturais com o uso de fitoestrogénios, isto é, estrogénios provenientes das plantas.

Fonte: www2.uol.com.br/menopausa ; chicoagulha.blogspot.com e www.unifesp.br

Reflexão: Não mudei a minha opinião sobre esta terapia. Acho que uma mulher não devia utilizar este tipo de processos, porque tem riscos que podem acarretar disposições muito mais desagradáveis e perigosas do que as alterações provocadas pela menopausa em si. Também temos de ver que existem aquelas mulheres em que a descida de concentração de estrogénios é tão drástica que o organismo anda em descontrolo e obviamente é necessário uma reposição, até pelo que seria essencial esta terapia na prevenção de doenças. No entanto, é preciso uma manutenção regular, repito, regular, porque pode optar-se por reposições naturais - fitoestrogénios.
Em Portugal, actualmente, só 4% das mulheres é que usam estas terapias. Dantes, este uso era muito mais comum e era um uso indiscriminado. Quando surgiu a polémica dos cancros a percentagem de pessoas a usar desceu abruptamente.
Mas tipo tudo isto depende de mulher para mulher.
-Olha achas que devias apanhar mais sol ou menos?
-Pah depende.....
é mesmo isso depende das situações e do organismo de cada um.

3 comentários:

Rafaela disse...

pelo vistos fizemos trabalhos com o mesmo tema mas temos opiniões diferentes!!!Opiniões nao se discutem não é verdade!

BJZ

Hélia disse...

Também sou da tua opinião a mulher tem de aceitar as coisas como elas são. Não procurar mudar a própria linha da vida.
Já nos casos em que há algo que justifique o uso deste tratamento já é aceitável agora usa-lo por um mero capricho não acho que seja necessário.
Deve ter sido um tema interessante.

Anónimo disse...

Sinto me um pouco perdida no meio de tudo isto.vi me de um dia para o outro com uma menopausa cirurgica devido a uma endometriose.Fiz um exame de rotina ecografia pélvica e a partir daí nunca mais parei.Exames e mais exames e acabei com uma histerectomia total.Já fui a vários médicos e não encontro unanimidade no aconselhamento.Uns dizem para fazer outros dizem para não fazer.Sinto me muito triste com tudo isto porque ainda não estava preparada para a menopausa embora soubesse que um dia teria que a ter!